Apesar do meio das artes e cultura locais ainda estar em desenvolvimento, o Governo da R.A.E. de Macau encontra-se a envidar esforços para prestar apoio a esta indústria.

Gigi Lee Yee Kee é uma jovem curadora e artista local. Após terminar os estudos secundários, prosseguiu os seus estudos na Universidade de Cultura Chinesa em Taipé, onde fez um curso preparatório inicialmente, e depois, influenciada pelo ambiente onde estava a estudar, apaixonou-se pelas artes e tirou uma licenciatura com especialização em artes, uma decisão que mudou a sua vida.

Gigi Lee regressou a Macau na década de 90, e apresentou aqui pela primeira vez o seu trabalho na exposição “Wo…man – Arte no Feminino” organizada pelo Albergue da Santa Casa da Misericórdia, iniciando assim a sua carreira artística. Desde então, tem participado em exposições de temas diferentes na região e do exterior, comunicando e congregando esforços com pessoas do sector das artes e cultura.

Gigi Lee considera que a arte é a fonte da sua felicidade e alegria. Devido às limitações do ambiente artístico e à economia única de Macau, não é fácil ser artista a tempo inteiro, mas ainda assim Gigi exerce essa profissão.

Numa ocasião Gigi colaborou com o Armazém do Boi no projecto “As Artes Aterram na Horta da Mitra - Exposição de Arte sobre a Cultura do Deus da Terra”, a qual teve uma resposta muito entusiástica por parte do público. Esta actividade comunitária mostra a comunidade como uma plataforma artística local. Através da mesma, Gigi compreendeu que, enquanto jovem artista de Macau, tem a responsabilidade de levar a arte aos seus bairros, para realçar a beleza da comunidade. Após a realização da mesma, Gigi ficou satisfeita por ver que vários artistas e associações artísticas e culturais iniciaram a criação de uma rede cultural comunitária, dando mais oportunidade às diferentes comunidades e ao público de participarem nas artes, estabelecendo-se um intercâmbio entre artistas de áreas diferentes e a população.

Nos últimos anos, a fim de ter uma boa base para a organização de exposições individuais ou em grupo, Gigi Lee estabeleceu o seu estúdio de arte em Macau. Além disso, procurou estabelecer uma cooperação com o sector das artes e cultura de Taiwan, mantendo estreitas relações com curadoras de Taiwan, organizando a participação do sector de arte e cultura de Macau em Taiwan, a fim de mostrar e promover obras feitas por artistas locais. Gigi considera também Macau uma plataforma de cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, e sugere que o Governo ou grupos artísticos privados organizem mais salões de arte.

A planificação de exposições inclui o planeamento ou produção de actividades de artes visuais, artes performativas, festivais de artes e cultura e também actividades comunitárias, entre outros. Para que as obras de um pintor se destaquem, é preciso uma meticulosa apresentação e divulgação pelo respectivo curador. Logo, a planificação de uma exposição não é apenas a sua discussão curatorial, mas inclui também elementos como a “implementação do planeamento da exposição”, o “controlo da qualidade da exposição” e como o “alcance do alvo do plano”, entre outros.

Há poucas curadoras profissionais em Macau e Gigi Lee espera que Macau possa criar mais cursos de especialização em artes nas universidades e institutos locais de forma a formar talentos, esperando também que o Governo possa dar continuidade à promoção das artes na comunidade. Espera também que no futuro, o Governo e o sector possam pensar em conjunto em soluções para melhorar a qualidade do sector das artes em Macau. Ao mesmo tempo, Gigi Lee estimula os jovens interessados em planificação de exposições ou em criação artística para terem as suas posições e ideias, e para terem coragem de experimentar.