O desenvolvimento económico de Macau nos últimos anos tem sido impressionante. Cada vez mais famílias têm condições para que os seus filhos participem em actividades de tempos livres, mas entre essas crianças, quantas aprendem realmente algo? Ho Ieong Cheng, de 22 de anos de idade, persegue incansavelmente há vários anos a sua paixão por instrumentos de cordas, alcançando finalmente o sucesso.

Influenciada pelo gosto pela música de seu pai, Ieong Cheng começou a aprender violino aos seis anos de idade tendo, um ano mais tarde, ingressado na Escola de Música do Conservatório de Macau, organismo sob a égide do Instituto Cultural. Aí revelou o seu talento, assumindo, ano após ano, a posição de violino principal no agrupamento escolar, sendo várias vezes convidada a apresentar-se em concerto no estrangeiro e colaborando ainda com jovens músicos notáveis como o pianista Lang Lang.

Apesar de existirem inúmeros professores de violino privados, Ieong Cheng escolheu prosseguir os seus estudos no Conservatório, não só por, assim, poder receber ajuda financeira do Governo, mas também devido à qualidade de ensino dos professores, muitos dos quais frequentaram escolas de música de renome. O mais importante para si foi poder contar com um grupo de mentores que lhe permitiram perseverar no seu caminho musical.

Ieong Cheng diz que sem o seu mentor, Su Jiajun, e o seu ensino rigoroso e zeloso, não seria a pessoa que é hoje. Para além de lhe ensinar técnicas de violino, transmitiu-lhe sobretudo calma e confiança nas suas interpretações e participações em concursos. Nessa altura, o Conservatório não tinha ainda iniciado os cursos em regime completo, daí que Ieong Cheng frequentasse outra escola e praticasse ou tivesse aulas no Conservatório após as aulas. Apesar do esforço requerido, Ieong Cheng nunca pensou em desistir, até porque outros colegas e amigos enfrentavam o mesmo desafio.

Após terminar o secundário, Ieong Cheng quis continuar os seus estudos musicais, candidatando-se a várias instituições de ensino estrangeiras. Tendo sido aceite em várias, decidiu prosseguir os estudos na Juilliard School, em Nova Iorque, a academia musical americana por excelência. Durante este período, actuou anualmente em festivais de música no estrangeiro, sob a orientação da violista Heidi Castleman, os quais, devido ao seu alto nível, proporcionaram à jovem violinista experiência e oportunidades de aprendizagem.

Durante os quatro anos de estudo nessa escola, a sua técnica musical assinalou grandes progressos. Descobriu também, ao ser confrontada com a educação musical ocidental, as deficiências nos métodos de ensino praticados na Ásia. “O ensino musical no exterior dá ênfase ao desenrolar da frase musical, ensinando os alunos a, primeiro, deixar-se levar pela música para, assim, aprender a tocar bem; na Ásia, dá-se mais importância à entoação e a outros detalhes, não conseguindo muitas vezes fazer com que os estudantes se envolvam realmente na música.” Daí que Ieong Cheng tenha um sonho: promover os métodos de ensino ocidentais em Macau como modo de retribuição ao local que a viu crescer.

Ieong Cheng irá regressar à Juilliard School para fazer um mestrado em Interpretação de Viola, tendo cedo estabelecido para si objectivos ambiciosos e partindo numa busca eterna pela arte da música. Esta paixão e perseverança são a razão do sucesso e da força de Ieong Cheng.


Ieong Cheng foi várias vezes convidada para se apresentar em concerto durante o ensino secundário


Ieong Cheng participou várias vezes nos concertos Artes Florescentes integrados no Ciclo de Concertos Educacionais da OM


Ieong Cheng com os seus professores dos E.U.A.