“Macaenses e Sentimentos de Macau” - Artigo do Instituto Cultural

O oitavo dia do quarto mês do calendário lunar chinês marca a data do Festival do Dragão Embriagado, promovido pela Associação dos Comerciantes de Peixe Fresco de Macau. Neste dia, sob o ruído ensurdecedor de tambores, os dançarinos encontram-se em frente ao Templo de Kuan Tai (Sam Kai Vui Kun), onde dão início à Dança do Dragão Embriagado, espalhando alegria pelos espectadores, habitantes e visitantes. O Festival do Dragão Embriagado, costume popular único, não só se tornou numa importante festividade local, atraindo inúmeros visitantes, como também foi inscrito, em 2009, na Lista do Património Cultural Imaterial de Macau, e, em Maio de 2011, na Lista do Património Cultural Imaterial Nacional. Este ano, os intérpretes desta dança tiveram ainda a oportunidade de divulgar o seu nome no exterior, tendo participado no famoso Carnaval de Nice, em França.

Não é fácil revelar o espírito da dança e conquistar louvores do público. Cada membro do grupo, para ser aceite, tem de completar um treino básico intensivo, aprendendo a avivar a cabeça e a cauda do dragão. O mestre Li Jun, o membro mais experiente do grupo da Dança do Dragão Embriagado, ao qual pertence há já seis décadas, considera esta dança como parte integrante e essencial da sua vida, insistindo em treinar ou actuar faça chuva ou faça sol, um comportamento e dedicação que merecem aplausos.

O oitavo dia do quarto mês do calendário lunar é um grande dia tanto para o grupo da dança do Dragão Embrigado como para os vendedores de peixe, já que há poucos feriados nesta indústria. De acordo com a tradição, a Associação dos Comerciantes de Peixe Fresco de Macau distribui “arroz da longevidade” ao público, desejando saúde aos adultos e inteligência às crianças. A dança do Dragão Embriagado é essencial ao Festival do Dragão Embriagado. Os dançarinos vestem-se e actuam segundo a tradição, mantendo assim as características desta dança, transmitindo o seu significado histórico e salvaguardando o seu valor cultural.

Hoje em dia, a par do Festival do Dragão Embriagado, a Associação já apresentou a sua Dança do Dragão Embriagado na “Marcha Por um Milhão”, no “Dia do Património Cultural da China” e no “Desfile por Macau, Cidade Latina”, entre outros eventos. Devido à sua notável participação no Desfile, após uma selecção exigente, o grupo foi convidado a participar no Carnaval de Nice de 2013, divulgando este item do património cultural imaterial de Macau no exterior. Li Jun acompanhou o grupo a França, não querendo deixar passar esta oportunidade de a promover junto de um público estrangeiro e também de alargar os seus próprios horizontes.

Os meios de comunicação de Nice mostraram grande interesse por esta dança,
dando-lhe grande destaque. Li Jun deseja que a Dança do Dragão Embrigado possa florescer e ir além-fronteiras, sendo, para isso, necessário o apoio de todos os sectores da sociedade e incentivar a sua divulgação, de modo a impelir a preservação e a transmissão do Festival do Dragão Embriagado às gerações futuras.