Novidades

中文版本
English

XXVI FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DE MACAU

08/08/2012
Festival Internacional de Música de Macau

O Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau promove o XXVI Festival Internacional de Música de Macau (FIMM), de 5 de Outubro a 7 de Novembro de 2012.

O Festival Internacional de Música de Macau tem como objectivo trazer anualmente a Macau artistas e grupos de renome internacional de todo o mundo. Ao longo da sua história de mais de duas décadas e meia, o FIMM tornou-se gradualmente o principal evento musical do território, procurando promover um leque equilibrado de eventos que reflictam a diversidade e a especificidade de Macau, que enriqueçam a vida cultural e que, ao mesmo tempo, vão de encontro às necessidades e expectativas das comunidades do território.

Com o som das esplêndidas melodias do Jubileu de Prata do Festival Internacional de Música de Macau ainda no ouvido, estamos prontos para anunciar outro marco importante da história do Festival. O diversificado programa desta edição inclui ópera romântica e barroca, teatro musical, música sinfónica, coral e de câmara, folk, pop, música de fusão e jazz, oferecendo ao público mais um dinâmico encontro entre Oriente e Ocidente. Vinte e três programas diversos provenientes da Alemanha, Áustria, Portugal, Suíça, Reino Unido, Itália, Hungria, Lituânia, Rússia, EUA, R.A.E. de Hong Kong, Macau e Interior da China, vão encher os palcos de Macau de sons tanto antigos como modernos.

Esta vigésima-sexta edição do FIMM inaugura com uma produção de grande escala da Broadway da aclamada peça de teatro musical PETER PAN – O MUSICAL, PROTAGONIZADO POR CATHY RIGBY (EUA) (5~7/10, Centro Cultural de Macau – Grande Auditório, 20:00), apresentada por McCoy Rigby Entertainment, Nederlander Presentations e Albert Nocciolino em associação com Larry Payton, Michael Filerman, Heni Koenigsberg e La Mirada Theatre for the Performing Arts. Descubra de novo a magia da produção duas vezes vencedora do Prémio Emmy e duas vezes nomeada para o Prémio Tony. Peter Pan está recheado de momentos mágicos intemporais e de um cativante Gancho.

Um dos pontos altos do XXVI FIMM é sem dúvida o RECITAL DE VIOLINO POR vadim repin (Rússia) (14/10, Centro Cultural de Macau - Grande Auditório, 20:00). Inegavelmente um dos mais reputados violinistas da actualidade, Repin possui o timbre melodioso de um romântico e a força de um atleta. O violinista ganhou numerosos prémios incluindo um Prémio Echo como “Instrumentista do Ano 1999”, o Diapason d’Or, o Prix Caecilia e o Prémio Edison e actuou com as mais reputadas orquestras e maestros mundiais, assim como nos principais festivais internacionais.

O programa de música de câmara clássica e contemporânea do XXVI FIMM tem início com um concerto pelo agrupamento IMANI WINDS (EUA) (9/10, Teatro Dom Pedro V, 20:00). Mais do que o quinteto de sopros mais importante da América do Norte, Imani Winds, nomeado para o Prémio Grammy, está entre os mais entusiasmantes, inventivos e distintos agrupamentos no mundo da música de câmara de hoje. Desde 1997 que este quinteto tem traçado um caminho sem par, alcançando uma presença distinta no mundo da música clássica com as suas actuações dinâmicas, programação culturalmente forte, colaborações sui generis e programas de apoio inspiradores. Uma jubilosa energia e um elegante virtuosismo são traços distintivos das suas cativantes actuações. Dois dias depois (11/10), o QUARTETO KODÁLY (Hungria) irá encantar o público no Teatro Dom Pedro V, às 20:00 horas. Formado em Budapeste em 1966, tem ininterruptamente ilustrado os mais elevados padrões da tradição musical húngara, que tem mantido com extraordinária distinção durante mais de quarenta anos de actuações internacionais.

Os dois concertos LAM BUN-CHING e AMIGOSCONCERTOS DE MÚSICA DE CÂMARA E EXPOSIÇÃO DE LIVROS DE ARTISTA (27, 28/10, Teatro Dom Pedro V, 20:00) incluem uma estrela musical local que dispensa apresentações. Natural de Macau, a compositora, pianista e maestrina Lam Bun-Ching compõe música que combina a sua sensibilidade chinesa com técnicas ocidentais contemporâneas de composição. No primeiro deste par de concertos, a artista colabora com o barítono Thomas Buckner, bom conhecedor das obras vocais da compositora, muitas das quais foram escritas para e encomendadas por ele, bem como com a soprano Grace Chiang. No segundo concerto, Lam é acompanhada pela pianista Margaret Lynn, sua colaboradora regular desde os seus tempos na Universidade Chinesa de Hong Kong. Ambos os concertos contam com a participação de membros do Hong Kong New Music Ensemble. Em complemento aos concertos, será realizada uma Exposição de Livros de Artista no lobby do Teatro Dom Pedro V, a qual conta com a colaboração do mestre impressor e editor Gunnar A. Kaldewey, um artista de livros alemão e colaborador de longa data de Lam Bun-Ching. A exposição apresenta alguns dos livros de artista de poesia e filosofia que resultaram da relação simbiótica criativa entre Lam e Kaldewey. Muitos destes livros têm inspirado Lam Bun-Ching no âmbito das suas composições musicais, tendo o seu trabalho musical sido transposto igualmente para projectos bibliográficos literários.

Completando o programa de música de câmara do FIMM, o QUARTETO DE CORDAS DE HONG KONG (R.A.E. Hong Kong) promete um magnífico concerto no Centro Cultural de Macau – Pequeno Auditório (29/10, 20:00). Fundado pelo violinista Wong Sze Hang em 1993 com colegas da Orquestra Filarmónica de Hong Kong, o Quarteto de Cordas de Hong Kong colaborou com numerosos músicos de Hong Kong e do estrangeiro, actuando extensivamente em Hong Kong e na região, incluindo festivais de música importantes. É quarteto residente da RTHK – Rádio 4 e da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong. Tem sido muito elogiado pela crítica, não apenas em Hong Kong mas também pelas suas actuações em Pequim e no Festival Internacional de Artes de Xangai. 

O programa sinfónico do Festival inicia-se com um concerto pela ORQUESTRA DE MACAU intitulado WAGNER, VERDI: OS GRANDES MESTRES DA ÓPERA ROMÂNTICA (13/10, Centro Cultural de Macau - Grande Auditório, 20:00). A Orquestra de Macau e o seu Director Musical Lü Jia apresentam excertos de obras dos maiores compositores românticos de ópera de todos os tempos, os quais representam os dois lados contraditórios da nossa natureza: a caridade e a necessidade de contacto humano contra a fúria da vontade egoísta e a solidão orgulhosa da mente.

A música antiga faz também parte do programa do XXVI FIMM. Com uma história de sucesso única, THE ENGLISH CONCERT (Reino Unido) (12/10, Igreja de S. Domingos, 20:00) foi criada pelo cravista de renome mundial Trevor Pinnock em 1973 e conta-se entre as orquestras de câmara mais notáveis do mundo. Durante mais de trinta anos foi aclamada pela crítica em concerto nos quatro continentes e em mais de 120 gravações de música barroca e clássica, muitas delas premiadas. Este agrupamento de música antiga dará um concerto arrebatador de música instrumental barroca.

Um elenco de cantores talentosos leva à cena LA SERVA PADRONA - ÓPERA EM 2 ACTOS DE GIOVANNI BATTISTA PERGOLESI (19~21/10, Teatro Dom Pedro V, 15:00 [21/10], 20:00). Esta ópera barroca ocidental - um género presente no FIMM pelo terceiro ano consecutivo – foi estreada em 1733. Foi originalmente um intermezzo de outra ópera do compositor, Il prigionier superbo (O Prisioneiro Orgulhoso), mas o seu sucesso levou a que fosse representada separadamente. Uma novíssima produção do FIMM a não perder!

Como é hábito, a Orquestra Chinesa de Macau pisa o palco do FIMM, este ano com o concerto NOVOS ESTILOS DE MÚSICA NACIONAL(21/10, Centro Cultural de Macau - Grande Auditório, 20:00). Três músicos contemporâneos proeminentes – Dai Ya (Dizi), Wu Yuxia (Pipa) e Jiang Kemei (Banhu) – associam-se com a Orquestra na apresentação de obras-primas de compositores chineses de renome, revelando a nova face da música tradicional chinesa.

MINHA QUERIDA LITUÂNIA é o primeiro de dois concertos pelo CORO ESTATAL KAUNAS (23/10, Igreja de S. Domingos, 20:00). Formado em 1969 por Petras Bingelis, que se tornou o seu primeiro e único Director Artístico e Maestro Principal, o Coro Estatal Kaunas transformou-se gradualmente num dos melhores grupos corais clássicos da Lituânia. A fama internacional chegou após o coro ter interpretado a Sinfonia da Primavera de Mikis Theodorakis nas suas primeiras digressões a Berlim e Paris, em 1982. Uma década mais tarde, as suas numerosas digressões levaram-no ao Festival New and Old Ways of India, onde apresentaram O Messias de Händel sob a direcção de Yehudi Menuhin, ao Festival Schleswig-Holstein e a festivais em Reims e Turku, entre outros. Um maravilhoso concerto a capella de obras quase exclusivamente lituanas a não perder – em estreia em Macau. No dia 24/10 o Coro Estatal Kaunas apresenta o concerto MUSICA SACRA (Igreja de S. Lázaro, 20:00), o primeiro concerto de órgão de tubos a ser realizado no FIMM, no qual participa uma das mais famosas organistas lituanas, Beata Andriuškevičienė. Construído pelos proeminentes fabricantes canadianos de órgãos Casavant Frères, que iniciaram a sua actividade em 1879, o novo órgão da Igreja de S. Lázaro é um instrumento único, feito à medida das condições e dos constrangimentos do espaço. Cerca de cem artesãos trabalharam naquele que é agora o maior instrumento musical em Macau.

No que diz respeito ao jazz, o XXVI FIMM começa por apresentar o som único da LEGENDARY COUNT BASIE ORCHESTRA™ (EUA) (17/10, Centro Cultural de Macau - Grande Auditório, 20:00). A encarnação viva do swing, um dos sons mais elegantes e irresistíveis que alguma vez abalou o mundo ocidental, a orquestra de 19 elementos, compreende um conjunto de instrumentistas com credenciais combinadas que subiram ao topo dos escalões mais elevados do mundo do jazz internacional durante décadas. Remontando ao som original do Cool Jazz dos anos 60, os músicos de pure desmond (Alemanha) (31/10, Centro Cultural de Macau - Pequeno Auditório, 20:00) fundaram o grupo em 2002 para dignificar a música do Quarteto Paul Desmond (com Jim Hall, Gene Cherico e Connie Kay). Em À MEIA-LUZ, transportam a música de Desmond para o séc. XXI, programando-a em conjunto com as composições originais do grupo e adaptações de canções dos nossos tempos. GEORG GRATZER & BEEFÓLK (Áustria) (2/11, Centro Cultural de Macau - Pequeno Auditório, 20:00), um grupo de músicos formado em Graz, na Áustria, em 2001, define a sua obra como “poesia expressiva da nova geração” e uma viagem através dos continentes e géneros musicais. O agrupamento apresenta CINEMATIC MICROSCENES, um programa inspirado pela música de câmara europeia e pelo jazz, bem como por sonoridades asiáticas. O estilo eclético do grupo foi apelidado de “Zappa-folk”, “jazz de câmara” e “música do mundo moderna austríaca”.

A superprodução de jazz AIN'T THAT SWINGING NA FORTALEZA DO MONTE – CONCERTO DE JAZZ POR FRIED NEURONIUM E BANDAS LOCAIS (28/10, Fortaleza do Monte, 18:00) apresenta três bandas de jazz locais – Grupo de Jazz Moderno Costa, a Banda de Jazz da Banda Sinfónica Juvenil de Macau e The Bridge – seguidas da banda de jazz portuguesa Fried Neuronium, liderada pelo fundador do grupo, Zé Eduardo, uma lenda do jazz português. Fried Neuronium é o mais recente projecto de Zé Eduardo, um dos nomes mais proeminentes do jazz português desde que fundou a Escola de Jazz do Hot Clube em 1979. Zé Eduardo é responsável por divulgar e promover o jazz em todo o território português, através da criação e direcção de várias escolas e orquestras e da sua participação activa em associações de música. O concerto termina com uma actuação conjunta dos agrupamentos, a primeira de sempre, em formato big band.
Este ano, o famoso ponto turístico da Fortaleza do Monte é palco de vários concertos, sendo o primeiro pela cantora portuguesa AUREA, intitulado LIVE ON TOUR 2012 (26/10, 20:00). A voz inconfundível, poderosa e encantadora de Aurea tem sido sinónimo de sucesso. Com apenas 24 anos de idade, Aurea é já um dos grandes nomes da música portuguesa, tendo sido considerada a voz revelação nacional de 2010. O seu primeiro álbum, homónimo, atingiu em poucos meses o 1.º lugar do Top Nacional de vendas, conseguindo a marca de dupla platina e mantendo-se no primeiro lugar por 9 semanas consecutivas. A cantora gravou ainda o tema “Love Me Tender”, em dueto com Elvis Presley (aprovado pela família do cantor e incluído no álbum “Viva Elvis”). Um dia depois, (27/10, 8pm), outra cantora portuguesa TERESA SALGUEIRO, apresenta o seu último trabalho, O MISTÉRIO, no mesmo local. Dificilmente poderá haver uma experiência mais bela que ouvir a cantora portuguesa Teresa Salgueiro cantar. Não é necessário falar a sua língua para compreender o alcance e o poder das emoções que ela transmite. A cantora possui uma voz com um portamento sensual que é simplesmente notável. Essa voz foi, até há pouco tempo, a imagem de marca do mais famoso grupo português de sempre, Madredeus.
A cantautora pop e actriz DOLCENERA (Itália) complementa a oferta de cantoras pop desta edição do FIMM (22/11, Teatro Dom Pedro V, 20:00). A artista veio pela primeira vez para a ribalta em 2003 como vencedora da Secção de Novos Talentos do Festival de Música de Sanremo, mas a fama só surgiria em 2005 ao ganhar o reality show de música do canal da TV italiana RA12 “Music Farm”. No mesmo ano, Dolcenera lançou Un Mondo Perfetto, que subiu imediatamente aos dez mais da tabela de vendas, vendendo mais de 90,000 cópias e atingindo o Disco de Platina.

Conhecida pelos seus temas modernos e que ficam no ouvido, a Banda Tai Chi (2/11, Fortaleza do Monte, 15:00) é uma banda de canto-rock chinesa de Hong Kong. Fundada em 1985, tornaram-se conhecidos no mesmo ano ao vencerem a primeira edição do Festival de Música Pop Carlsberg. Em 1986, a banda recebeu o título de “Melhor Novo Acto Promissor” no certame Prémios das 10 Melhores Canções de Ouro da RTHK e lançou o seu segundo álbum, Lost, tornando-se rapidamente numa das mais bem sucedidas bandas do território.

O programa do FIMM inclui também música do mundo. Formada em 2006 por Quan Sheng, notável intérprete e professor de morin khuur, a Banda Haya (5/11, Centro Cultural de Macau - Pequeno Auditório, 20:00) libertou-se das fronteiras nacionais e dos laços étnicos, combinando canto e instrumentos tradicionais mongóis – tais como o khoomei (canto gutural), o morin khuur (violino cabeça-de-cavalo), o tanbur (alaúde de pescoço comprido) e o tambor shaman – com elementos musicais pioneiros e instrumentos modernos. Em MIGRAÇÃO, Haya dá sangue novo a melodias antigas passadas de geração em geração. Uma oportunidade de experimentar as belas canções da música do mundo mongol!

A Fundação Festival Puccini e o FIMM apresentam conjuntamente uma produção de TOSCA – ÓPERA EM TRÊS ACTOS DE GIACOMO PUCCINI (1, 3, 4/11, Centro Cultural de Macau - Grande Auditório, 19:30). Um dos grandes marcos da história da ópera, Tosca proporcionará a Macao um dos momentos altos do programa deste ano, durante três noites. O Maestro Lü Jia dirige a Orquestra de Macau e um enérgico elenco de cantores nesta apaixonante história de amor, assassínio e suicídio!

A ORQUESTRA SINFÓNICA DE S. FRANCISCO (EUA) (7/11, Centro Cultural de Macau - Grande Auditório, 20:00), uma das orquestras mais famosas do mundo e o seu Director Musical, Michael Tilson Thomas, celebram a 100.ª Temporada desta Orquestra no concerto de encerramento do XXVI FIMM. Fundada em 1911 por um grupo de cidadãos de São Francisco, incluindo músicos e amantes da música, a San Francisco Symphony (SFS - Orquestra Sinfónica de São Francisco) acabou por se tornar uma das instituições artisticamente mais ousadas e inovadoras nos EUA, apresentando mais de 220 concertos anualmente para mais de meio milhão de pessoas nos EUA e em todo o mundo. A SFS conta já com 14 Prémios Grammy, 15 Prémios da Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores, o Prémio do Academia do Japão, o “Grand Prix du Disque” da França, entre outros. Para além das suas actuações, a SFS está igualmente envolvida no âmbito da educação musical para todas as idades, através de programas nas escolas, workshops, uma página electrónica, uma série de televisão e concertos anuais gratuitos e comunitários, bem como através da sua Orquestra Juvenil SFS. Colabora com a Orquestra neste concerto a pianista chinesa Yuja Wang, cujo domínio do piano tem sido descrito como “espantoso” e “sobre-humano". A pianista tem sido igualmente louvada a sua capacidade de corresponder às exigências técnicas mais complexas do repertório, bem como a sua profunda sensibilidade musical, interpretações frescas e elegantes e carismática presença em palco.

O FIMM aposta novamente em actividades sobre os eventos, com o objectivo de estimular o interesse da população pela música e pelas artes.

Os bilhetes para o XXVI Festival Internacional de Música de Macau encontram-se à venda a partir das 10:00 horas do dia 12 de Agosto de 2012, nos postos de venda da Rede Kong Seng. As reservas online e por telefone estarão disponíveis a partir das 13:00 horas do mesmo dia. Está disponível uma variedade de planos de descontos. O material publicitário, também disponível nos postos de venda de bilhetes, fornece mais detalhes sobre o programa.

Para mais informações sobre o XXVI FIMM é favor visitar a página Web do Festival em www.icm.gov.mo/fimm.

E-mail: fimm@icm.gov.mo
Linhas Directas de Reserva de Bilhetes:
Macau: (853) 2855 5555         
Hong Kong: (852) 2380 5083   
Região do Delta do Rio das Pérolas: (86) 139 269 11111                                       

Reservas online: www.macauticket.net

Linha Directa de Informações: (853) 8399 6699

O XXVI Festival Internacional de Música de Macau conta com o apoio da Direcção dos Serviços de Turismo.

Presentes na conferência de imprensa, e em apoio da edição deste ano do Festival Internacional de Música de Macau, estiveram o Presidente do Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau, a Directora dos Serviços de Turismo, substituta, Maria Helena de Senna Fernandes, o Presidente do Conselho de Administração da TDM – Teledifusão de Macau, Leong Kam Chun, a Directora-Geralda Divisão de Marketing e Planeamento de Rotas da Air Macau, Mavis Chan, o Vice-Presidentedo Instituto Cultural, substituto, Leong Hio Ming e o Director Artístico do Festival Internacional de Música de Macau, Warren Mok.