Skip Navigation LinksPágina Inicial > Mensagem

Mensangens

Ao darmos início ao XXIV Festival de Artes de Macau, gostaria de, em nome do Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau, agradecer a todas as organizações que nos apoiaram, aos artistas e grupos participantes e a todo o pessoal que contribuiu com o seu trabalho para este evento, bem como dar as boas-vindas ao grande número de espectadores que nos apoia e encoraja pela sua devoção às artes e à cultura. 

Um evento cultural local de grande escala, o Festival de Artes de Macau, tirando pleno proveito da herança da cidade, reúne programas clássicos e contemporâneos do ocidente e do oriente, que demonstram um espírito aberto e horizontes amplos, segundo os princípios do “impulso à apreciação artística” e da “promoção do desenvolvimento das artes locais”, de forma a concretizar um propósito culturalmente harmonioso.

Esta edição do Festival apresenta programas variados extraordinários. Artistas provenientes de uma dezena de países juntam-se a talentos de Macau em trinta e quatro produções diversas e complementares, que vão desde interpretações de obras-primas clássicas a explorações inovadoras contemporâneas, de demonstrações de técnicas sublimes a solo a espectáculos grandiosos nascidos da cooperação entre as regiões de Guangdong, Hong Kong e Macau. Dois coreógrafos contemporâneos notáveis assinam a produção dos espectáculos de abertura e encerramento deste ano, os quais expressam uma profunda preocupação humanística. Do programa destacam-se ainda produções como Muralha de Nevoeiro, inspirada na obra-prima Longa Jornada para a Noite do famoso dramaturgo norte-americano Eugene O'Neill, na qual equipas e actores de Taiwan e Macau unem forças para apresentar uma peça emocionante sobre a essência do “lar”; a ópera de Pequim Han Yuniang, pelo Teatro Nacional de Ópera de Pequim, uma adaptação de um clássico do notável Mei Lanfang, a qual conta com a renomada Dong Yuanyuan no papel principal; As Guerreiras de Yang, levada à cena pelo Grupo Juvenil de Ópera Cantonense dos Kaifong de Macau, uma grandiosa ópera cantonense clássica que revela uma nova geração de talentos que irá herdar, preservar e perpetuar esta arte milenar. O Grupo de Teatro Dóci Papiaçám di Macau volta a apresentar uma divertida sátira em Patuá sobre a sociedade local, um dialecto incluído no património cultural imaterial único de Macau.

O desenvolvimento continuado do Festival de Artes de Macau depende da nossa prestação e esforço conjuntos. Esta edição do Festival irá certamente dar ainda mais cor ao quotidiano dos cidadãos e criar memórias inesquecíveis.

Ung Vai Meng
Presidente do Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau 

 

Mensagem
Últimas Notícias
Programa
Teatro
Dança
Música
Exposições e Outros
Horário dos Espectáculos
Festival+
Bilhetes
Locais
Descarregar o Folheto do FAM
Outras Informações
Edições Anteriores
Contacte-nos
Mapa do Sítio
Sugestões
Política de Privacidade