1699 O Leque de Flores de Pessegueiro – Ópera Kun

Grupo de Artes Performativas do Teatro de Ópera Kun de Jiangsu (Interior da China)

Teatro

Tempo

16/5|Sábado|19:30

localização

Centro Cultural de Macau - Grande Auditório

Tarifa

MOP 350, 300, 200, 100,

Uma saga de amor durante a queda de uma dinastia

Autor Original: Kong Shangren (1648-1718)
Director de Produção: Zhu Changyao
Director Artístico: Ke Jun
Supervisores: Zhao Jingli e Li Hongliang
Director Executivo: Zhang Xiaoxue
Consultor Especial de Interpretação de Kunqu: Zhang Jiqing
Consultor Literário: Yu Kwang-chung (Taiwan)
Consultor Teatral: Sohn Jin Chaek (Coreia)
Consultores Académicos: Dong Jian e Oh Sook Yung (Coreia)
Promoção Musical: Seikoh Nagaoka (Japão)
Consultores de Interpretação: Shi Xiaomei e Hu Jinfang
Director Musical e Maestro: Dai Peide
Instrutores de Interpretação: Huang Xiaowu, Zhao Jian, Ke Jun, Li Hongliang, Gong Yinlei e Qian Zhenrong

Encenador: Tian Qinxin
Assistente de Encenação: Wang Bin
Design Vocal e Adaptação Musical: Sun Jian’an
Arranjos Musicais: Jiang Jinghong
Cenografia e Design de Luzes: Xiao Lihe
Design de Guarda-Roupa e de Estilo: Mo Xiaomin

Personagens e Elenco Principais:
Hou Fangyu      Shi Xiaming 
Li Xiangjun     Shan Wen
Hou Fangyu     Shi Xiaming
Li Xiangjun     Shan Wen
Mestre de Cerimónias / Su Kunsheng / Sacerdote Taoista ZhangChen Chao
Yang Wencong     Zhou Xin
Li Zhenli      Xu Sijia
Shi Kefa     Yang Yang
Zuo Liangyu     Sun Jing
Ruan Dacheng     Zhao Yutao
Ma Shiying     Cao Zhiwei
Chen Zhenhui     Zhang Zhengyao
Wu Yingji     Sun Yijun

Prémio de Excelência em Dramaturgia no 31.º Festival Mundial de Teatro/ Prémio de Excelência em Dramaturgia no 4.º Festival de Ópera Kun

A escrita da peça musical e drama histórico em 44 actos, O Leque de Flores de Pessegueiro, foi completada em 1699 pelo dramaturgo do início da dinastia Qing, Kong Shangren – descendente de Confúcio na 64.ª geração – após mais de dez anos de trabalho e três revisões. A peça, de grande significado histórico e literário, descreve a situação dramática resultante do colapso da dinastia Ming em 1644 através da história de amor das suas duas personagens principais, o jovem académico Hou Fangyu e a cortesã Li Xiangjun. A fim de representar fielmente o enorme valor desta magnum opus num palco contemporâneo, o encenador Tian Qinxin procurou por toda a China as partituras em falta. Sabendo que a peça original demoraria dias a ser representada na totalidade, criou uma versão abreviada em 6 actos sem fazer qualquer alteração ao texto original, tendo em vista um público moderno. Em homenagem a Kong Shangren, o nome da produção, 1699 O Leque da Flor de Pessegueiro, inclui o ano de 1699, que marca a conclusão do manuscrito.

Esta magnífica produção do Grupo de Artes Performativas do Teatro de Ópera Kun de Jiangsu inclui actuações de jovens actores promissores, bem como de grandes nomes da Ópera Kun, investidindo fortemente na qualidade dos cenários e guarda-roupa. O palco é emoldurado por aguarelas translúcidas inspiradas no tema “Céu, Terra e Homem”, retratando a anterior glória e prosperidade das margens do Rio Qinhuai. As longas mangas dos figurinos são inteiramente acolchoadas com um único forro e feitas à mão, tal como todos os outros 219 trajes e acessórios.

.É favor consultar o Guia do Programa de Extensão do FAM: Palestras
Representada em dialecto de Zhongzhou, com legendagem em chinês, português e inglês
Duração: aproximadamente 3 horas, incluindo um intervalo